quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Um mamá por uma banana

Quando está com fome, Marina não pede para comer, pede para mamar.

Sabendo disso, sempre tento prever, dentro dos horários das principais refeições, a hora que ela vai pedir para mamar para já deixar a caminho o café da manhã, almoço e jantar.

Ontem, ela não quis jantar muito. O tempo estava quente e então fomos ao pátio do condomínio para que ela pudesse brincar um pouco e voltar com um pouco mais de fome. Além de tudo ainda era cedo...

Voltamos, ofereci água e ela brincou mais um pouquinho. Logo preparei uma banana cozida para deixar para ela assim que ela pedisse para comer. Não deu outra. Ela logo pediu: Tetê! Tetê!

Pela forma que estava pedindo, achei que não aceitaria a troca pela banana. Quando abri a panela, ela fez: Hummmm!!! Pediu para sentar na cadeirinha e comeu a banana todinha sozinha. E desistiu do mamá naquela hora.

Essa é a delícia do desmame natural. O tetê estava ali. Eu ofereci outra coisa e ela se sentiu pronta para fazer a troca. Viu prazer naquela bananinha cozida. Sem choro, sem sofrimento nem pra mim, nem para ela.

Desmame natural é tudo de bom!!! 

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Reaprendendo a mamar

Marina mama há 1 ano e 4 meses e meio. Não sei se são os caninos inferiores que estão saindo, mas Marina resolveu apoiar seus dentinhos (ela tem 14 dentes) no peito. Ela pega certo, mas desce os dentes na base do mamilo e fica lá. E dói, hein?

Como resolver? Vamos reaprender a pega correta. Marina pega com os dentinhos, eu tiro com meu dedo mindinho, como eu fazia lá no comecinho e faço ela abrir a boca de novo e "boto" o peito na boca dela de novo. Faço uma, faço duas, faço três, de manhâ, à tarde, à noite...

É mole? Reaprendendo a mamar aos 1 ano e quase 5 meses... Mas o que a gente não faz pelos nossos filhotinhos?...

Pra gente ver como a amamentação é um processo dinâmico, ou seja, não existe fórmula mágica ou regra.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Marina está comendo bem?

Eita perguntinha...
Percebi que, para a maioria das pessoas, comer bem significa comer uma pratada do tamanho que um adulto come e, além disso, pede para comer tudo o que a gente quer comer também.

Infelizmente ainda hoje o bebê bonitinho é o bebê gordinho, cheio de dobrinhas.

Marina é magrinha, não é pele e osso, mas não tem dobrinhas. Pesava em torno de 8,500Kg e tinha 75cm aos 1 e 3 meses de vida. Não come pratadas e, na maioria das vezes, não se interessa pelo que a gente está comendo.

Mas ela come. A quantidade que ela determina, e está bem assim. Eu também não como muito, tampouco o pai dela. E ela é saudável e feliz assim. Come somente quando tem fome. É claro que às vezes a gente quer que ela coma um pouquinho mais, experimente uma porcariazinha... mas por enquanto ela não se interessa.

Essa é uma das características do bebê amamentado. Ele tem autoregulação da ingesta dos alimentos e sabe quando parar de comer. O leite materno tem todos os nutrientes que ele precisa, com calorias na qunatidade certa. Não há sobra.

Um dia a pediatra me disse o seguinte: um bebê do tamanho da Marina que tem 3Kg a mais do que ela tem o quê a mais? A resposta: gordura. Pronto. A Marina tem a reserva energética que precisa, está tudo equilibrado no seu organismo e, desta forma, não a condeno a ser um adulto obeso.

Por isso, agora, quando me perguntam se a Marina come bem, eu digo: "Come bem e ainda mama muito bem"!

Tudo de bom, não é mesmo?
  
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...