sábado, 8 de dezembro de 2012

Desmontando a cama compartilhada



Essa é a nossa cama compartilhada
Uma das coisas que não tínhamos pressa aqui era de desmanchar a cama compartilhada. Montamos ela em meados de maio do ano passado, um pouco depois de voltar ao trabalho e de bater o carro duas vezes por causa de sono. Quer ler mais sobre este dia? Está aqui!

Há um mês, fiz algumas modificações na cama compartilhada da Marina em meu quarto porque estava embolorando a parede e o sofá-cama que apoiava os colchões.

No lugar do sofá-cama, coloquei um pufe da sala, que era mais estreito e permitia que entrasse ar pelas laterais da caminha, já que ela ficava entre a parede do meu banheiro (lado direito) e a minha cama, que é box.

Muita gente pode estar se perguntando o que isso tem a ver com amamentação. Tudo. Marina dormia junto também para mamar. Dormir junto faz parte do processo de vínculo, de criação da individualidade, da sensação de segurança.

Mesmo assim, vi semana passada que tinha uma camada de fungo branco em toda a parede do banheiro. E agora? Precisaria desmontar, limpar e deixar arejar. Aí o bicho pegou. Marina não deixa ninguém mexer na cama. Não desmonta minha caminha! É minha caminha! É minha caminha! Todas as vezes que precisava arejar a cama, pedia para a Edina, minha diarista, que fizesse isso enquanto estivéssemos fora.

Agora não tinha jeito. Tinha que deixar uns dias aquilo arejando. Não podia deixá-la dormir ali. Fui conversar com Marina. Marina, olha só, tá cheio de bicho na sua cama, precisa tirar tudo e limpar... Falei com o maior cuidado e já esperando o show. Até que: Vamos tirar mamãe. Fiquei ao lado dela esperando para explicar mais e ela simplesmente saiu puxando os colchões, dizendo: Deixa que eu ajudo! Me ajudou a levar os colchões, o pufe pra sala, colocou os lençóis pra lavar e foi brincar. E eu fiquei ali, com cara de paisagem.

Ela nem se lembrou da cama o dia todo. Falei com o Ricardo e disse que ia tentar deixar sem a caminha, visto que ela já estava passando quase a noite toda na cama do quarto dela e pedia raramente para mamar de madrugada.

Chegou à noite e o coração partiu. O meu, é claro. Marina dormiu no quarto dela e a caminha dela não estava mais no meu quarto. Ficou um vazio. Achei que ia cair da cama (rsrsr), deu dor na consciência, nenhum dos dois dormiu a noite toda.

Lá pelas 4 da manhã ela veio ao meu quarto e eu nem perguntei, dei um tetê pra ela como se fosse o último! (rs). Quando ela se virou para procurar a caminha, fez um biquinho de choro por não encontrá-la. Aí eu tive que segurar a onda: Marina, ela não está mais aí, mas mamãe está. Está tudo bem. Não a levei de volta. Ela se aconchegou e dormiu entre nós. Ela, que detestava dormir entre nós, dormiu. E nós também.

Ela não pediu mais a cama, mas voltou a mamar de madrugada algumas noites na primeira semana. Deixei ela mamar, amamentei tudo o que ela quis de noite. Há uns 5 dias, Marina tem ficado em sua cama a noite toda e voltado lá pelas 5, 7 da manhã para mamar. Aos finais de semana quando não precisamos acordar cedo, ela fica na nossa cama depois de mamar e acordamos deliciosamente juntos.

Ela disse outro dia à madrinha dela: Olha meu quarto! Ele não é lindo? Assim, Marina criou, por ela própria, vínculo com seu quarto, com suas coisas, com seu espaço, com sua individualidade.

 Assim, mais uma fase acabou. Comecei a mexer em algumas coisas em meu quarto, estou fazendo uma cabeceira, encomendei criados-mudos, prateleiras... Vou pendurar uma foto minha e do Ricardo... Temos nosso quarto de volta. Nossa menina está crescendo. E a gente vai dando corda... dando asas.

Leia mais sobre este processo em:
E Marina dorme a noite toda. Há 30 dias.
Dormindo na caminha... às vezes... rsrsr

E nas categorias:
Desmame natural
Cama compartilhada

4 comentários:

  1. que legal esse relato,tudo muito calmo e sem nenhum stress,
    parece que quando os pais não ficam na ansiedade de resolver a criança (como se as transições fossem problemas e não transições), tudo acontece de maneira muito mais gostosa!

    ResponderExcluir
  2. Que bonito depoimento! sem choros, brabezas ou rancores... suavemente como é o passar das fases da vida, que quando se pára pra pensar, já passou... Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Eu percebo muito isso nas famílias que praticam cama compartilhada e não forçam os filhos a deixarem o quarto do casal. A criança vai por conta própria pro quartinho, com independencia e tranquilidade.
    Quem força muito a separa finda tendo um filho mais apegado (no sentido negativo) e por mais tempo...
    Digo por experiencia própria. Meu primeiro filho eu seguia os 'livros' e os 'palpites' e sempre o deixei longe de nós. A consequencia disto é que, até hoje (com quase 6 anos), ele tem dificuldade em dormir só, nos requisita todas as noites, como se estivesse pedindo por aquilo que lhe foi tomado quando bebê. Com os outros dois, que deixamos ter o tempo de dormir conosco, mamar bastante, dormem a noite toda... gostam do quarto deles... Cariny Cielo

    ResponderExcluir
  4. Oi Fabi!
    Tô conhecendo seu cantinho agora e amei!!

    Me identifiquei bastante com este post, pois sempre achei uma delícia a cama compartilhada, apesar das críticas alheias.

    Super seguindo você!!!

    Ah, amamentar, realmente, é tudo de bom!!
    bj.

    Mônica

    http://docesdiasdemaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...