Procurando por...

Carregando...

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Aprendendo a mamar

Muito engraçado. A gente se adapta ao bebê e eles à nós.

Depois que a Marina começou a ficar mais pesada, eu me ajeitei a colocar a Marina no peito assim: coloco-a sentada no meu colo, ofereço o peito, ela abocanha e então a deito e viro o corpinho dela para ficarmos barriga com barriga. E ela aprendeu a esperar essa posição para mamar. Ela abocanha o mamilo e fica segurando. Só suga quando está na posição certa. Se, por acaso, eu me mexo, ela para de mamar e fica somente com o peito na boca, como se estivesse segurando e só volta a mamar quando percebe que eu estou quieta.

Afinal de contas, imagine-se bebendo uma garrafa de coca-cola e alguém vem e te dá um empurrão. Deve ser a mesma sensação heheheh...

Marina mamando aos 4 meses

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Bebendo água - a mamãe é claro!

Quando a mulher está amamentando, tudo o que ela come e bebe, prioriza a alimentação do bebê, como na gestação. Para que a amamentação dê certo é necessária uma boa ingesta de alimentos saudáveis, com bastante variedade de frutas, verduras e cereais além de água, muita água.

Percebi esta prioridade na prática. Desde que a Marina nasceu, acabo com uma garrafa de 2L de água todos os dias, fora o leite de soja, suco e chás que tomo ao longo do dia.

No último fim de semana, bateu uma preguicinha de beber água...Eu não bebia muito antes da gravidez. Então, vi que meu xixi diminuiu muito, mas o peito continuava cheio, comecei a sentir a boca melada, com a saliva densa.

Acredito que, se continuasse nesta situação por alguns dias, com certeza começaria a afetar a produção de leite, no entanto, até lá, o corpo priorizaria a Marina e eu não teria líquido o suficiente para eliminar as toxinas do meu organismo, o que seria ruim para nós duas.

Depois disso corri para beber água e só fiquei tranquila quando minha saliva ficou mais líquida e quando fiz um "monte de xixi"!!!

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Mamando o suficiente para suas necessidades

Um dos benefícios da amamentação exclusiva é dar noção de saciedade ao bebê, o que evita uma série de problemas no futuro, como a ansiedade por comer, o que pode levar à obesidade e ou à outros transtornos alimentares.

E é uma verdade. Quando a Marina mama, não sei o quanto está mamando pois, infelizmente, minha mama não é transparente (hehe). Eu não a tiro do peito, afinal de contas, sou adepta à livre-demanda. Quando está satisfeita, a não ser que ela queira ter uma desculpa para ficar pertinho um pouquinho, ela solta o peito e suspira. Algumas vezes dorme depois, porém não mais com a frequencia de quando era recém-nascida já que Marina é uma mocinha de 4 meses.

Aliás, uma boa medida para saber se o recém-nascido (0 a 28 dias) mamou o suficiente é ver se ele dorme após cada mamada. O bebê nesta fase tem, em média, necessidade de dormir 16 horas por dia, ou seja, descontado este número de 24 horas, o restante deste tempo é o período que amamentamos. Resumindo, ou estão dormindo ou estão mamando (nos intervalos estão sendo trocados ou tomando banho haha).

Dormir faz ter leite!

São nove horas da manhã e Marina está dormindo ainda.

Colocamos ela para dormir às 23h horas de ontem e, se eu não pegasse para mamar hoje, às 8 horas, talvez estivesse sem mamar até agora.

Bom, nove horas sem mamar ainda não tenho coragem de deixar, então, às 8 tirei-a do berço e a coloquei no peito. Mamou, mamou e dormiu, de novo.

Fui esvaziar o outro peito, que também estava explodindo e meus outros pequeninos do Banco de Leite também já estavam com fome (hehe). Tirei 100mL e ainda não consegui desempedrar a mama!!!

Durante o sono é o período que mais produzimos prolactina e, repousando, deixamos a energia do organismo para a produção de leite, por isso que os médicos falam que devemos descansar bastante quando amamentamos.

Bom, espero que a Marina acorde com bastante fome, pois acho que ainda tem mais uns 100mL aqui guardados para ela. Os amiguinhos dela do Banco de Leite também agradecem!

E...cá entre nós: Que delícia dormir 9 horas seguidas!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Criação de temas para os posts de madrugada

Essa história da Marina mamar às 4 da manhã até que está fazendo bem ao Blog.

As idéias dos temas para os posts vêm "facinho" à esta hora: fico lá, com a Marina grudadinha no peito, no escurinho, um silêncio...aí nessa, o cérebro, para não me deixar dormir em cima dela (o que já aconteceu algumas vezes - Marina foi salva pela almofada de amamentação), trabalha me dando idéias de temas de posts.

A única coisa é que preciso escrever para não esquecer aí entra em cena, novamente, meu amigo Pelicano, que segura o bloquinho de papel e a caneta...ah, Deus, o que é ter bebê depois de uma certa idade...

Mamar de madrugada...

Achei que uma hora ia me acostumar com essa coisa de acordar de madrugada para a Marina mamar.

Meu Deus, ainda me dá um sono terrível!!! Ela acorda todos os dias entre 4 e 7 da manhã para tomar seu "café da manhã", depois volta a dormir até às 10, 11 horas. às vezes dá mais uma acordadinha, principalmente se acordou às 4, aí quer mamar de novo às 7.

Para não esquecer que peito eu tenho que dar eu colei um post it no berço dela, já que um eu dou para ela e, como o outro sobra, eu tiro para doar. Não tenho cérebro nem para isso mais...hehe

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Fases do bebê - Aprendendo a mastigar

Já faz alguns dias que a Marina começou a chupar o lábio inferior. Ontem, começou a mastigar a língua e já está afinando a coordenação das mãos, conseguindo pegar com mais facilidade os objetos e a se interessar por coisas que antes não se importava, como a água que sai da torneira ou a florzinha de seu macacão, tudo ela quer pegar e pôr na boca.

Muito engraçado, não é? Achei fantástico isso, com certeza, quando a OMS orientou a amamentação exclusiva até os seis meses com certeza observou esta sequencia de desenvolvimento nos bebês.

É o avanço da fase oral, pois a pequena já está com 4 meses e meio e está se preparando para novos alimentos e melhorando sua coordenação para levá-los à boca. Por isso que realmente é importante iniciar a alimentação pastosa somente com 6 meses, pois até lá, já está treinada para a nova textura. Muito sábio isso tudo.

Vou iniciar a Marina com 5 meses e meio, visto que com 7 preciso colocá-la na escola e não pretendo dar nenhum outro leite que não seja o meu até, pelo menos, seu primeiro ano de vida e tenho receio dela não se adaptar à tudo em um mês apenas.

Por enquanto, fico por aqui, somente observando e pensando no dia que poderei mostrar o mundo dos sabores para a Marina...

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Amamentação exclusiva

A amamentação é a melhor maneira de proporcionar o alimento ideal para o crescimento saudável e o desenvolvimento dos recém-nascidos, além de ser parte integral do processo reprodutivo, com importantes implicações para a saúde materna.


A Organização Mundial de Saúde recomenda, para a população em geral, que os bebês recebam exclusivamente leite materno durante os primeiros seis meses de idade. Depois dos seis meses, com o objetivo de suprir suas necessidades nutricionais, a criança deve começar a receber alimentação complementar segura e nutricionalmente adequada, juntamente com a amamentação, até os dois anos de idade - ou mais.


Para fazer com que as mães consigam amamentar exclusivamente, até os seis meses, a OMS e o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) recomendam ainda: 1) iniciar a amamentação nas primeiras horas de vida da criança; 2) amamentação exclusiva, ou seja, o lactante recebe apenas leite materno, sem nenhum outro alimento ou líquido, nem mesmo água; 3) que a amamentação aconteça sob demanda, ou seja, todas as vezes que a criança quiser, dia e noite; 4) não usar mamadeiras nem chupetas.


A recomendação sobre amamentação exclusiva até os seis meses é resultado da reunião de especialistas que, em março de 2001, se reuniu em Genebra e analisou as pesquisas recentes sobre o assunto.


O leite materno é o alimento natural para os bebês. Ele fornece toda a energia e os nutrientes que o recém-nascido precisa nos primeiros meses de vida e continua a fornecer até metade ou mais das necessidades infantis durante a segunda metade do primeiro ano - e até um terço durante o segundo ano de vida. O leite materno promove o desenvolvimento sensor e cognitivo da criança, além de protegê-la contra doenças crônicas e infecciosas - leite contém linfócitos e imunoglobinas que ajudam o bebê a combater infecções.

A amamentação exclusiva reduz a mortalidade infantil por enfermidades comuns da infância, como diarréia e pneumonia, e ajuda na recuperação de enfermidades. Crianças alimentadas com leite materno normalmente dobram de peso do nascimento até os seis meses. O leite materno, além disso, é barato e não corre o risco de ser contaminado com bactérias, como pode acontecer com as mamadeiras e leite em pó.

Devido às vantagens nutricionais do leite materno, ao seu papel na defesa contra infecções e os riscos do desmame precoce, a OMS está coordenando um estudo multicêntrico em alguns países. O objetivo é desenvolver um padrão de crescimento de crianças amamentadas exclusivamente com leite materno e complementadas com outros alimentos aos 4 e aos 6 meses de vida. Os resultados ainda não estão concluídos.

No entanto, em todo o mundo, poucas crianças são alimentadas exclusivamente com leite materno por mais de algumas semanas. Mesmo em sociedades onde a amamentação é a regra, as mães normalmente introduzem alimentação complementar ou líquidos muito cedo.Uma das razões mais comuns dadas pelas mães, mundo afora, para justificar a interrupção da amamentação ou a introdução de outros alimentos, é a crença de que não terão leite suficiente ou que a qualidade do leite deixa a desejar.

Embora seja um ato natural, a amamentação é também um comportamento aprendido. Amplas pesquisas já demonstraram que tanto as mães quanto profissionais de saúde e assistentes necessitam de encorajamento e apoio para manter práticas apropriadas de amamentação.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Vínculo

Sob a solicitação do blog Mulher e Mãe, vamos escrever um pouco sobre vínculo.

Como mãe de primeira viagem, percebi que, para mim o vínculo começou na amamentação.

Tive alguns probleminhas na gestação, inclusive um descolamento de placenta, mas acho que aquela força que sentimos quando ocorre um problema assim é tão simplesmente INSTINTO, pelo menos no meu caso. Eu achava que já tinha um vínculo, mas hoje percebo que, com a amamentação, consigo enxergar nos olhos da Marina o que ela quer dizer: quando tem fome, quando quer brincar, quando está com sono, quando quer carinho... e sei que isso vai só aumentar e, agora, não só com os mamazinhos, mas com tudo aquilo que vem junto com o crescimento dela, com o aumento da sua percepção de mundo.

Amamentar trouxe benefícios para nós duas além da questão da imunidade e de sua nutrição. Está fazendo bem à nossa alma, principalmente à minha que estou no mundo há mais tempo, portanto, mais endurecida com as coisas da vida.

A maternidade começa no parto e se intensifica com a amamentação feita com carinho, amor e sem pressa. Sem pedir nada em troca.

sábado, 16 de outubro de 2010

Para a Marina

"Amor da minha vida
Daqui até a eternidade
Nossos destinos foram traçados na maternidade..."

"Antes era a paisagem
meio céu e meio chão
uma voz quente
canta contente
"I am alone with you...
...we are lonely no more"
Quem era? Quem é ela?
Nuvens passam depressa
passa o tempo devagar
Uma voz quente
canta no rádio
"I am alone with you...
we are lonely no more"
Marina
Ilumina
Meu silêncio, minhas noites vãs
minhas manhãs desertas de paixão
Meu coração sem sol
Meu sonho de amor,
desejo de querer
Tudo o que você quiser
Vidas que se encontram
Por acaso, por querer,
Pra ficar perto, pra cantar junto,
"I am alone with you...
we are lonely no more"
Marina aproxima
A distância do que eu quero mais
Faz mais bonita a espera de amar
Submarina azul
Brilhando num mar de luz, de som, de cor
Tudo o que você quiser
Quando você quiser
Se você quiser."

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Fases do bebê - Adendo 1 - Marina não dorme mais no peito

A Marina já não precisa do peito para dormir.

Muitas mães ficariam frustradas com isso, algumas aliviadas eu estou feliz.
Como um bebê de 4 meses não precisa mais do peito para dormir? Ela mama, chega a dormir mamando, mas acaba de mamar, acorda e dorme depois. Muitas vezes, nem mama. Brinca, fica com sono e dorme.

Lógico que não é tão tranquilo assim, estou aprendendo a fazer a Marina dormir. Mesclei algumas técnicas da Encantadora de Bebês com meu sexto sentido de mãe e parece que tem dado certo. Sento na cadeira de balanço, canto um nana nenê no ouvidinho dela, seguro a barriguinha e o bumbum para que ela se sinta segura, ela chupa um pouco o dedinho, resmunga uns minutos e depois dorme. Demora uns 20 minutos este processo. Depois, coloco-a no berço embrulhadinha no cobertor (como um rolinho) e assim, na primeira noite da técnica, a Marina teve que ser acordada depois de 9 horas de sono para esvaziar meu peito que estava por explodir!!!

Ainda não consegui fazer com que ela durma sozinha, mas pelo menos já consegui acabar com a procissão no quarto à noite e do mama-dorme-mama de 1 hora...

E essa é a delícia da livre-demanda, mamar quando quer e simplesmente não mamar quando não quer!

Como eu já havia dito, são fases. É lógico que cabe à nós, pais, ensinar os bebês a dormir, a acordar, a comer, mas muita coisa passa simplesmente porque eles crescem. Não passa, muda. A gente só precisa dar o tempo certo à eles e estar pronta para essas mudanças, simplesmente passando segurança para que cresçam independentes e seguros de si.

Obs. essa fase passou, ok? Marina só passou a não dormir mais no peito muuuuiiito tempo depois. rsrsrrs. Veja mais no link Desmame Natural.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Marina curumim

Acho que o lado europeu da Marina ficou longe, apesar do seu avô paterno ser da catalunha e o restante português e italiano, já percebi que a tataravó índia está muito presente!

Se a  Marina pudesse, ficava o dia todo em um lugar quente, sem roupa, sem fralda, mamando, grudadinha em mim em um sling! hahahha

Feriadão... Corujão!!!

Meu Deus, mudar a rotina de um bebê realmente é um negócio complicado.

Aproveitamos bastante o feriadão de 12 de outubro, passeamos, Marina foi ao Outlet Premium, visitou os avós e a dinda, passeou de carro e tal... Mas qual não foi que, à noite, ninguém dormiu!!!

Marina mamou às 3 da manhã todas as noites, ficou pendurada no peito, não dormia... coisa que não fazia desde os seus 2 meses de idade. Ficamos acabados! Precisamos agora de outro feriado para descansar. hehe.

Aprendemos mais uma: Passear pode, mas devagar com as coisas! Ficar na rua o dia todo não é coisa para bebê...

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

As "Fases do bebê" - Primeiro mês

Passada a primeira semana, vem a segunda parte mais difícil: o primeiro mês: Cólicas, chupeta e as mamadas de madrugada.

Eu sou da opinião que a gestação deveria ser de 44 semanas, pois assim eles poderiam terminar a gestação e sair do mundo pelo menos enxergando um pouco mais, ou então entendendo o significado da expressão "espera só um pouquinho!..." A única coisa é que daí deveríamos andar em quatro apoios, pois carregar um bebê todo este tempo de pé não dá não hehe.

Jesus! Como este primeiro mês é complicado.

Você já tirou os pontos, se fez cesárea, sua mãe ou sogra já foram embora, seu marido voltou a trabalhar e lá está você e seu bebê. E agora? Roupas para lavar, você ainda não sabe trocar direito, não sabe dar banho sozinha (no mínimo está meio complicado para as que fizeram cesárea), precisa comer, pois tem uma fome louca, não tem ninguém para te trazer água ou o telefone quando ele toca, não tem ninguém para ficar com o bebê quando você quer ir ao banheiro, fora que é preciso largar tudo o que está fazendo para dar mamar, trocar, fazer dormir e aí, quando você pensa que não pode complicar mais, chegam as cólicas...

Só que, até descobrir que são cólicas, demora... ainda mais se for mãe de primeira viagem... Já relatei minhas experiências com cólicas, portanto não vou me alongar muito à respeito neste post.

Fora que, como o bebê não enxerga nada, ele só se acalma se estiver no seu colo e, preferencialmente, no seu peito. Ahá! Aí o bicho pega. Todo mundo começa a falar: "Este bebê está ficando acostumado no colo!..." "Não deixa ele te fazer de chupeta!!!" E então a gente cai de novo nessa conversa. Se quiser saber mais sobre chupetar o peito, leia: Chupetar? Não! Amar.

O que eu tenho a dizer a respeito deste período? Calma novamente. Tente não cair na armadilha da chupeta. Eu tentei. Pus 6 chupetas diferentes na boca da Marina. Foi em vão. Não saía leite da chupeta, então ela cuspia. Haha. Se você conseguir passar este priemeiro mês sem a chupeta, nunca mais precisará dela. Então, tente resistir. No segundo mês o bebê descobre a própria mão e, assim, não precisará tanto de seu peito. Também enxergará um pouco mais, ou seja, saberá que você está por perto e não chorará tanto. Acredite, é fato. Depois de perceber isto escrevi o post sobre chupetar e comecei a entender que o bebê passa por fases e a gente deve respeitar isso. Tudo tem sua hora.

Quanto à casa, desencane um pouco da arrumação, evite bagunçar para não ter que arrumar. Coma bem nas horas certas, deixe a despensa cheia e não fique comendo besteiras, pois você precisa se alimentar e alimentar seu bebê que está crescendo exponencialmente agora. Beba muita muita água, suco e chá de erva-doce. Tente dormir quando tiver sono, especialmente nos intervalos das mamadas à noite que, por enquanto, devem estar de 2 em 2  ou de 3 em 3 horas. Dormir de dia é difícil, mas se conseguir, melhor ainda, você se sentirá mais diposta e, quanto mais se descansa, mais o organismo consegue produzir leite.

Se possível, dê banho no bebê à noite, pois assim poderá contar com a ajuda do maridão. A Marina só tomava banho "à 4 mãos". Em breve, será possível dar banho no bebê no chuveiro, aí tudo fica mais fácil.

Além de tudo isso, a Marina, até o terceiro mês só fazia cocô mamando, esse é o tal do reflexo gastrocólico, que nada mais é do que o reflexo do intestino que se movimenta durante a mamada porque o estômago também está em movimento. Ou seja, mais um tempinho no peito para fazer cocô também...

A Marina também tem um esquema "trocou tem que mamar", independentemente se ela acabou de mamar. Hehe. Melhora também a partir da metade segundo mês.
As mamadas da  madrugada de 3 em 3 ou até de 2 em 2 horas também acabam com a gente! Cansa bastante e o bebê ainda não sabe o que é noite, quer ficar acordado... Lembro que assistia toda programação da madrugada da Globo. Começava com o Jô e terminava com a Luluzinha e o Telecurso... Minha dica é fazer uma refeição de madrugada, e beber muito líquido pois a energia vai embora e ter calma, muita calma que o segundo mês já não é mais assim.

Daqui até o terceiro mês também tive bastante preocupação com o leite que "voltava" ao deitar depois de mamar. As dúvidas eram muitas: será que depois de arrotar já pode deitar? Trocar depois de mamar ou mamar depois de trocar? Quanto tempo esperar? E se ela engasgar? Bom, depois de um tempo você consegue perceber quando o bebê pode deitar, mas normalmente é quando o bebê já está dormindo bem molinho. Trocar depois de mamar já é complicado, pode-se colocar uma almofada para erguer o tronco do bebê. Bom, eu esperava 40 minutos até o terceiro mês, já no quarto, somente uns 15 minutos. Parece que, com o tempo, eles adquirem uma certa capacidade de manter o leite no estômago, vejo que ela, muitas vezes, engole o leite e assim as coisas vão melhorando.

As piores crises que passei foi durante este período, leia: Quem disse que tudo é tão romântico?, mesmo assim, recomendo a livre demanda, o não uso da chupeta e a paciência. Calma, o mês que vem chega recheado de sorrisos de seu bebê, aí tuuuuudo melhora!!!


Seguir para:
As "Fases do bebê" - Primeira semana
As "Fases do bebê" - Segundo mês

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Meu amigo Pelicano

Vou contar para vocês do meu amigão.

É um cara que está ali, sorrindo a qualquer hora, do dia ou da noite, pronto para me ajudar, todas as vezes que vou amamentar a Marina.

É o meu amigo Pelicano, que mora em seu poste de plástico, no pé do berço da Marina. hehe.
Ele segura meu squeeze com água, me absorvente de seio, o babador da Marina e, leva em sua asa esquerda, um lindo relógio Tommy Hilfiger com cristais Svarovski para que, na madrugada, eu tenha noção das horas, de quanto tempo minha linda mamou, e quanto tempo já se passou para que eu possa deitá-la novamente sem que ela se afogue em leite! Além disso, apóia minha almofada de amamentação.

Gostaria de agradecer imensamente meu irmão João Paulo, que deu à Marina em herança, este mais novo amigo e ajudante.

Quem não tem uma amigo como este, aconselho a ter uma mesinha de apoio, ou um marido extremamente dedicado, que não trabalhe, para te ajudar a noite!!!


Marina e mamãe na praia

Posted by Picasa

Marina mamando aos 3 meses

Posted by Picasa

terça-feira, 5 de outubro de 2010

As "Fases do bebê" - Primeira semana em casa

Demorei para escrever este post porque acredito que seja o relato mais complicado que eu já fiz. Por isso, farei por partes. Deixarei links ao final e no início de cada texto linkando todas as fases.

Analisando esses primeiros quatro meses da Marina percebi que, na verdade, todas as dificuldades que nós e os bebês passamos são fases. Pena que quase nenhum pediatra nos esclarece isso. Digo quase porque uma pediatra que fui (que infelizmente não aceita meu convênio) me deu uma dicas de que o desenvolvimento do bebê funcionava assim, por fases. E que eu tinha apenas que ter paciência (na hora eu xinguei ela em pensamento, tá? hehe)

Na verdade, a culpa é nossa mesmo, pois sempre queremos uma solução imediata para as dificuldades e não temos paciência para esperar. E, se o médico não nos dá uma solução, não voltamos mais nele... e ainda espalhamos para as outras mães que o atendimento é péssimo!

Vou tentar descrever como percebi as fases na Marina. A ordem cronológica dessas fases eu não vou saber definir perfeitamente, mas entendi que a coisa funciona mais ou menos assim:

- A semana do parto é a mais cruel de todas.
Você e o bebê não se conhecem direito, ninguém sabe como amamentar, a gente fica um caco, cansada, com sono, com fome, parece que o mundo para (do verbo parar, sem acento, tá?, seguindos as novas regras de ortografia hehe). Aí você pensa que está em depressão pós-parto, principalmente quando chega em casa e o leite desce, o bebê chora, chora e só quer mamar e você mal consegue fazer xixi. Fora mais outras centena de dificuldades...Ufa!

E, para muitas avós "sem-noção" começa a fase do "acho que este bebê está com fome".
Só para resumir: bebê chora porque chora mesmo, porque não tem outra maneira de se comunicar. Ele estava quentinho, encolhido e protegido no escuro do útero, só ouvindo a voz de sua mãe, seus batimentos cardíacos, seus sons internos e, agora, tem barulhos mil, televisão e um bando de gente em cima dele, falando alto, com muitos cheiros diferentes, perfumes (deveria ser proibido por lei passar perfume e ir visitar um bebê!), isso quando o perfume não fica na roupa do coitadinho! fora que ele precisa se acostumar com aquele monte de roupa, com seu aparelho digestivo funcionando, com as fraldas apertando, com um lugar novo para dormir, mais o sentimento de fome (que na barriga ele não tinha), de estar molhado de xixi e mais tudo, simplesmente tudo o que pra gente é muito normal para eles é o fim do mundo!!! E, nessa, a gente fica toda atrapalhada e acaba, às vezes, se não estiver com a cabeça bem-feita, acredtando que o bebê está com fome e aí é que a "vaca vai pro brejo". A mãe deve estar tranquila e segura de si para que a amamentação dê certo, para que o bebê fique tranquilo em seu peito e possa pegá-lo direitinho. Resumindo: se você tiver alguém duvidando de seu potencial de mamífera, "toca embora" da sua casa.

Aí então, se você se acalmar, essa semana passa e ninguém precisa vestir camisa de força. O mais importante que considero nesta fase é ter uma boa sustentação familiar. A ajuda da mãe, sogra ou a mulher mais próxima, de preferência que já foi mãe (se for possível, que tenha amamentado com sucesso, para não te perturbar mais do que você já está) e do marido são fundamentais. Quem não tem marido, sem problema, ter alguém perto apoiando e te ajudando nas horas de maior cansaço são muito valiosas. Um copo d´água na hora de amamentar, trazer o bebê até você para mamar, ajudar a apoiar as costas, ficar um pouco com o bebê para um banho um pouco mais demorado, fazer uma refeição e algumas coisas da casa são coisas que ajudam muito a aliviar esta fase. Passou da primeira semana? Perfeito. A segunda semana já não é mais assim.

Seguir para As Fases do Bebê - Primeiro mês

Leia mais sobre a descida do colostro em: Início da amamentação
Saiba mais sobre a descida do leite em: Descida do leite intermediário
Leia mais sobre Baby Blues em Baby Blues

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Arthur e o café... Marina e o chá mate!

Minha cumadre Aline estava com uma vontade louca de tomar café. Tomou. E o Arthur, que é de dormir o dia todinho ficou doido doido um dia inteirinho. Deu uma canseira nela...


Eu achava que a Marina não era tão sensível, já que eu cheguei a tomar um pouco de Nescafé com leite, quando eu podia tomar leite ainda, é claro. Só que eu ando meio injuriada do gosto do leite de soja e do chá de erva-doce, de camomila e de erva-cidreira e resolvi tomar um chá-mate.


Tomei uns quatro dias, mas bem fraquinho, até que uma manhã o telefone tocou e eu esqueci o saquinho de chá dentro da xícara de água quente. Na volta, tomei aquele chá bem forte, uma delícia... ah se eu soubesse...


A Marina não dormiu nada o dia inteiro!!! Pelo menos dormiu à noite toda... Ainda bem, porque eu fiquei um caco!


Resumindo: cafeína passa para o leite sim, ainda bem que, pelo menos, no nosso caso, aconteceu de dia, hehehe!!!!

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Qual soutien de amamentação usar?

Quando estava grávida, tinha muitas dúvidas sobre qual soutien comprar. Eu e minha comadre compramos alguns e, na verdade, só fomos descobrir qual era melhor depois que começamos a usar. Pena que, na época, não havia ninguém para nos ajudar.

Minha dica é a seguinte:

- Compre soutiens do seu tamanho mesmo. Somente durante a apojadura (descida do leite) as mamas aumentam bastante. Depois, voltam ao tamanho que eram antes da gravidez (e isso não significa pouco leite, o tamanho da mama em nada interfere na sua produção).

- Existem vários tipos de soutien. Eu comprei com bojo e aro, sem bojo, daqueles que deixam a mama toda exposta e daqueles que tem uma "janelinha", com abertura parcial.

- Os com bojo e aro não são confortáveis e não modelam a mama como aqueles que usamos normalmente. Achatam o peito e acabam dificultando na hora de dar mamar.

- Os melhores são aqueles sem bojo e sem aro, mas recomendo o seguinte: tenha alguns daqueles com janelinha para usar durante o dia, pois modelam um pouco mais a mama e escondem mais os absorventes de seios, mas tenha também uns dois que abrem por inteiro (tem um da De Millus baratinho e bom), para dormir, pois são mais confortáveis e não pressionam a mama à noite, quando seu peito fica mais cheio. Os da marca Love Secret são muito bons também (não estou ganhando nada com isso, só estou recomendando o que eu e minha comadre utilizamos), mas dessa marca só conheço os de abertura parcial.

Um soutien apertado demais pode até empedrar o leite, isso já ocorreu comigo algumas vezes quando teimei em utilizar os soutiens com "janelinha". O peito enchia muito e a tira prendia parte do leite na hora que minha bebê mamava. Aí era muito difícil de tirar o leite de lá. Veja o post onde eu escrevo sobre isso: http://amamentartudodebom.blogspot.com/2010/08/bloqueio-do-ducto-lactifero.html e http://amamentartudodebom.blogspot.com/2010/09/amamentar-e-facil-nao-e-nao.html

Desenvolvimento do bebê


Retirado de: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/crescimento_desenvolvimento.pdf
em 29/09/10
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...